domingo, 27 de maio de 2012

Sobre restaurantes e comer em Paris – Parte 2


Não poderia deixar de falar dos restaurantes de grill e entrecôte de Paris.  Apesar de não ter feito qualquer refeição em um deles, muito me foi recomendado.  Esse tipo de restaurante é uma instituição hoje em Paris de grande sucesso certo por lá.   O mais  famoso é o Relais de l'entrecote, em vários endereços, sendo que você pode conferir o da Champs-Élysées.  Há também o Hippopotamus Grill, em vários endereços, sendo referências mais conhecidas  nos Boulevards Capucines e du Montparnasse.


O que percebi em Paris é que os pratos são muito bem servidos.  Para mim o mito de pouca comida caiu por terra.
Tive o prazer de almoçar no restaurante marroquino Chez Bebert, no Boulevard du Montparnasse.  Comida típica de qualidade e bastante farta.
 Outra boa dica e conhecer restaurantes de origens variadas é na  rue Saint-Severin. Rua e região bastante turística em Saint Michel, , quase 24 horas “no ar”, além de muitas lojas para as famosas “lembrancinhas”.


Pratos que fazem parte do típico menu dos restaurantes franceses parisienses.
Boeuf bourguignon – Servido com champignon, pedaços de cenouras.  Deliciosa carne ensopada no vinho; macia e saborosa.
 Canard – Pato – É servido assado, ensopado.  A carne é um pouco seca;  prefira os ensopados.
Sopa de cebola  francesa  -  soupe à l’oignon – Esta está em todos os cardápios; famosíssima.  Não sei se não soubemos escolher o lugar correto, mas não achamos lá essas coisas ..  Mas, não deixe de experimentar e depois me conte o que achou.

Nos bares, cafés, restaurantes nunca trazem adoçante.  Peça  edulcorant (Êdiucôrã) ou sacarina (Sacarrine).



Hora da sobremesa.
Não preciso falar muito sobre os doces franceses.  As fotos falarão por si.  Gostaria de destacar o crepe, sempre presente nos menus:  puro, avec du sucre ou recheado.
Além dos éclairs (bombas) fartamente recheados, tortas de limão (citron) e os famosos macarrons (delícia os de pistache).  No Chez Bebert tive o prazer de saborear um  coquetel de frutas vermelhas.  Imaginem todas as frutas vermelhas que vocês conhecem reunidas numa taça com um suco de “não sei o quê” , envolvendo-as (Acho que era groselha). 



Não poderia esquecer o crème brulée – Uma das sobremesas mais famosas da França.  É um mingauzinho com toque de baunilha e uma tentadora casquinha crocante de caramelo por cima.  Só de escrever fiquei “aguando”!







Sorvete – BERTHILLON – Uma das delícias geladas mais famosa de Paris.  Você encontra fartamente na Île de la Citè (onde se encontra a fábrica).  Saboreie-o passeando nas margens do rio Sena, principalmente na primavera e no verão.

Para não ficar com fome durantes os passeios, compre frutas frescas e de primeira qualidade nas inúmeras vendas encontradas em qualquer quarteirão de Paris.



Vinhos -  não saberei dizer muita coisa, apenas que bebi muitos e, detalhe, NACIONAIS !!!







Imagens:  Marluzis, Ana Cortez e Internet.




quinta-feira, 17 de maio de 2012

Paris – Impressões, Curiosidades e Dicas - Parte 1



Muitas pessoas têm me solicitado dicas sobre Paris, portanto darei aqui algumas por conta da minha experiências nos onze  dias lá passados..  Mas não deixarei de colocar minhas impressões pessoais.

Em primeiro lugar gostaria de destacar o seguinte site: http://www.conexaoparis.com.br/.  Indicado pelas amigas Ismênia e Maria Amélia,   dejá habituées de Paris, obtive dicas incríveis que me deixaram mais à vontade para flanar na cidade luz.



TRANSPORTE

Em Paris, o metro é, sem dúvida, o meio mais rápido e prático de se deslocar.  Existem 15 linhas e cerca de 300 estações de metro. O horário de funcionamento se dá, em média, entre as 5h30 e 00h30. As inúmeras ligações do metro com o RER (Rede Expressa Regional) e as estações de trem permitem o fácil acesso às outras cidades da grande-Paris.

Os ônibus são macios e espaçosos, custam barato (em torno de 1 euro e  20) e os degraus nivelam com as calçadas. Os motoristas não dão arrancadas fortes, nem passagens de marchas bruscas.  É uma ótima opção para aproveitar o trajeto até um ponto turístico qualquer e ir conhecendo as ruas e bairros de Paris.

Já os vagões de metrô são velhos, apertados, com poucas alças para que possamos segurar.  A maioria não tem porta automática, temos que puxar alavancas para abri-las e os condutores arrancam sem se preocupar com as pessoas que estão entrando e saindo.  Coisa de louco!  Muita atenção!!  Ainda assim o melhor meio de transporte para se andar por Paris.  Ele cobre toda a cidade.

 Poucas estações têm escada rolante.

É possível comprar um carnet (10 bilhetes) com desconto, por 11,60 euros, com um excelente desconto.

Os trens e RER’s (trens suburbanos) são confortáveis e deslizam com maciez.

Os parisienses usam muito bicicletas (as velos), mas pouquíssimos portam capacetes.





ATENÇÃO:  Ao usar o metro sempre guarde seu ticket, pois em algumas estações há necessidade de usá-lo na saída.

Também existe a possibilidade de conhecer Paris num city-tour em ônibus de 2 andares, comprando passaportes de 1 ou 2 dias, manhã ou noite.   A Paris de dia é completamente diferente da Paris à noite.   Essa é uma ótima maneira der se ver a muitos monumentos.  




RESTAURANTES
Os restaurantes em Paris abrem para o almoço a partir das 12h15 e servem, em média, até às 14:30. O jantar é servido das 19h30 até no máximo 22hs.

A grande maioria dos estabelecimentos não serve entre as 14h30 e 18h00.  Se você quiser comer nestes horários, busque pelos restaurantes NON STOP, pelas BRASSERIES ou FAST FOODS, que sempre possuem refeições a qualquer hora do dia.  O famoso fast food parisiense chama QUICK BURGER.  Depois é que aparece o MacDonald com McBaguette.


Uma ótima opção nos restaurantes, mais barata e rápida é a FÓRMULA.
O que é ?   A fórmula pode é composta de:
·  Entrada (Entrée)  + Prato principal (plat) + Sobremesa e/ou  queijos ( desserts et fromages)
Ou
·  Prato principal (plat) + Sobremesa e/ou  queijos ( desserts et fromages)
Ou
·  Entrada (Entrée) +  prato principal (plat)

Ao entrar em um restaurante em Paris, você deve esperar na  entrada para ser atendido por um garçom ou recepcionista que indicará as mesas disponíveis para se sentar.
Uma vez instalado,  o garçom te trará um cardápio para você pedir sua refeição. Pergunte se eles possuem cardápios em outros idiomas, em alguns restaurantes turísticos existe esta opção. Uma vez escolhido seu pedido, feche o seu cardápio, deixando em cima da mesa e espere até que o garçom venha pegar a comanda.
Já servidos, é provável que o garçom não volte mais à sua mesa para perguntar se precisam de mais alguma coisa. Não se sinta ignorado,  normalmente eles não querem incomodar a sua degustação. Caso precise de algo, solicite a sua presença.
Nunca o chame de garçom e o trate  por Monsieur, eles serão muito mais cordiais desta forma.
Tomar um aperitivo na varanda de um café ou restaurante para olhar os que passam ou simplesmente para admirar a paisagem é um dos passatempos preferidos dos parisienses. Mas vale a pena ressaltar que normalmente sua conta será mais elevada do que se você optar em sentar  no interior do estabelecimento.
Em Paris,  o serviço já está incluído. Na sua conta haverá “service compris” (serviço incluído), o quer dizer que você não precisa deixar  gorjeta. Se foi muito bem servido ou quiser agradar o garçom, dê-lhe 1 euro, no café, e alguns euros, no restaurante. Mas você não é obrigado a fazer isso.

Em Paris há dois tipos de garçom:  o simpático-bem-humorado e o grosso-mal-humorado.  Não há meio termo.



Imagens: Marluzis e internet.



sexta-feira, 11 de maio de 2012

Le passe-murailles, um homem capaz de passar as paredes.




"À Montmatre existia um homem chamado Dutilleul e ele tinha um dom muito peculiar de atravessar os muros sem ser incomodado...".

E assim Marcel Aymé cria a lenda do "passe-muraille", o homem que consegue atravessar as muralhas, como se fosse um espírito.

Com seu romance denominado "Passe Muraille", Aymé descreve o cotidiano de seu personagem principal que vive na Rue Norvis, no 18ème Arrondissement, exatamente no mesmo lugar onde o autor morava.

Em homenagem à essa obra, uma estátua foi erguida onde hoje fica a Place Marcel Aymé, em Montmartre. Um passeio obrigatório para quem anda pelas ruas do bairro...



(Extraído: http://www.nosnomundo.com.br/2011/01/passeando-a-pe-em-montmartre/ )



Foto:  Marluzis - maio 2012

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Livro bom é livro livre (*)



Outro dia, conversando com uma colega de trabalho, falávamos sobre desapego de um modo geral (este exercício diário que tenho tentado realizar).   Até que chegamos ao tema “livros”.  Sempre senti a necessidade de fazê-los circular.  Ter uma grande biblioteca nunca foi o meu objetivo.  Essa colega compartilhou comigo o mesmo pensamento.   Contou-me que seu pai havia escrito uma crônica que falava exatamente sobre isso e o seu título  “Livro bom é livro livre”  traduziu todo o sentimento que sempre tive em relação aos livros e, que agora, volta a bater forte dentro de mim.

Não sei o porquê, de uns tempos para cá resolvi guardá-los.  Já possuo três andares de estante, em fila dupla, de livros.  Isso começou a me incomodar... 
Após esse papo, resolvi que está na hora de torná-los livre para que outras pessoas sintam a mesma emoção que senti ao lê-los.




Bem,  vamos à crônica do escritor  Carlos Alberto Castelo Branco.

“Se encontrar por aí um livro que você escreveu com dedicação, talento e esforço e autografou para mim como prova de amizade e admiração, não fique : chateado, triste, abatido, decepcionado, frustrado , inconformado ou puto da vida. Tenho horror a livro preso em estantes e habitualmente pego todos os que li e gostei e transfiro para uma biblioteca pública, um asilo, uma escola. Acho que é uma forma de repartir o prazer que eles me deram e difundir, ainda mais, o nome dos autores. 
Não vendo meus livros, nem meus amigos. Você pode até encontrar algum livro autografado para mim num sebo – e fique sabendo que não tenho nada a ver com isso. A única livraria de quem recebo alguma coisa é a Elizarte, na rua Marechal Floriano, no Rio – e o que eu recebo é um sorriso do Arthur, o chefe da casa, que ama a literatura, como seu pai amou e, talvez, seu avô, também. O Arthur vende livros, mas não vende para qualquer um, sua clientela é de gente culta, inteligente, apaixonada por literatura e arte. Qualquer autor deveria ficar feliz, se visse um livro seu nas prateleiras da Elizarte. 
 A maior parte dos livros que rolam por aí , com dedicatória para mim, são autografados por amigos queridos. Os inimigos não mandam livros e nem eu compro os que eles escrevem. Rolam por aí romances, poemas, tratados que me foram dedicados por gente como Carlos Menezes, Clarice Lispector, Joaquim Branco, Ayrton Seródio, José Louzeiro, Ednalva Tavares, o pedríssimo P.J.Ribeiro, Ronaldo Werneck, Maurício Monteiro, José Júlio Braz, Frederico Gomes, Ivan Junqueira,Eraldo Quintanilha, Duílio Gomes. Claro que há um pouco de maldade nisso, como em tudo o que faço. Fico imaginando um bibliógrafo pontificando numa roda de intelectuais e jactando-se : "Encontrei um volume raríssimo do Marcelo Cabral. É autografado. A dedicatória é para um tal de Carlos Alberto Castelo Branco..." Olha eu aí pegando carona para a eternidade, né? 
Entendo que alguns autores não gostem disso. Certamente, são inseguros, ególatras, extremamente vaidosos. Aliás, se você, nas suas andanças, encontrar algum livro que escrevi e autografei para alguém, peço que me informe. Quero saber quem foi o canalha. Nunca mais lhe mando livros. Nunca mais falo com ele.”



(*)Título da crônica escrita por Carlos Alberto Castelo Branco : 
Nascido em Parnaíba, Piauí (1942), mora no Rio. 
Livros publicados :
"A máquina de pensar bonito contra o medo que o medo faz" . Editora Salamandra, Rio, 1986 ( Prêmio Instituto Nacional do Livro, Ministério da Educação); "O pai que virava bicho". Editora Lê, BH, 1986 ( Prêmio Monteiro Lobato, da Academia Brasileira de Letras); "Essas abomináveis criaturas de Deus" Editora José Olympio, Rio, 1989 ( duas vezes finalista da Bienal Nestlé de Literatura). Tem contos publicados no  Suplemento Literário Minas Gerais, no Jornal do Escritor e no Jornal de Letras. Em 2001 lançou Conexão Sardinha, Editora Nova Fonteira, dentro da coleção Primeira Página, que reúne obras inéditas escritas na melhor tradição literária da novela policial.

&     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &     &

domingo, 8 de janeiro de 2012

Hudson Conceição - Esculturas em jornal


Artesão.  Cria esculturas utilizando jornais.
Pernambucano de Maracaípe, Ipojuca.
Atualmente morando em Pirenópolis, Goiás.   Eu acho...
Cidadão do mundo...  Eu o encontrei em Paraty, debaixo de uma árvore, em frente à Igreja de Santa Rita, cartão postal da cidade.
Uma chuva forte chegava e o vento dava maior movimento às suas esculturas.  
Elas criaram vida...






sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

RECEITA DE ANO NOVO




Para você ganhar belíssimo Ano Novo 
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, 
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
 (mal vivido talvez ou sem sentido) 
para você ganhar um ano 
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, 
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; 
novo
até no coração das coisas menos percebidas 
(a começar pelo seu interior) 
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, 
mas com ele se come, se passeia, 
se ama, se compreende, se trabalha, 
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, 
não precisa expedir nem receber mensagens 
(planta recebe mensagens? 
passa telegramas?) 

Não precisa 
fazer lista de boas intenções 
para arquivá-las na gaveta. 
Não precisa chorar arrependido 
pelas besteiras consumadas 
nem parvamente acreditar 
que por decreto de esperança 
a partir de janeiro as coisas mudem 
e seja tudo claridade, recompensa, 
justiça entre os homens e as nações, 
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, 
direitos respeitados, começando 
pelo direito augusto de viver. 

Para ganhar um Ano Novo 
que mereça este nome, 
você, meu caro, tem de merecê-lo, 
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, 
mas tente, experimente, consciente. 
É dentro de você que o Ano Novo 
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Encontro de Corais - Conservatória - Molho Inglês

Neste último final de semana fui ao Encontro de Corais em Conservatória - RJ (cidade da seresta), acompanhando o coral da ELETROBRAS.  Que por sinal fez bonito! Aplaudidíssimo!  Infelizmente não consegui filmá-lo.


Nesta cidade, que respira e exala música, tive a oportunidade de tomar um delicioso chocolate quente ao som de um outro coral, o MOLHO INGLÊS, cuja regente é a mesma do coral da ELETROBRAS -  Crismarie Hackenberger, que é componente do grupo vocal BR6.


Eles escolheram cantar somente em inglês e estão se saindo muito bem "na fita".
Como eu estava junto com a "tiurma", consegui esse momento exclusivo.


E com vocês...  Molho Inglês !!!  Cantando...  I can see clearly now, de Johnny Nash.


video


Eles estarão amanhã na livraria Saraiva do shopping Rio Sul.  Se puderem, confiram!




&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&